Mais 6 mortes por covid em Indaiatuba

  • Cidade voltou a ter mortes diárias pela doença e registrou 6 no final de semana, de 06 a 08 de novembro;
  • Itu e Salto não tiveram óbitos confirmados por covid nesse período, mas registraram casos positivos de contaminação;
  • Governo do Estado inicia construção de fábrica para produção de vacina e deve receber 120 mil doses até o dia 20

A Prefeitura de Indaiatuba, por meio da Secretaria de Saúde, informou que foram registradas mais 6 mortes por covid na cidade no período que vai de sexta, dia 06, a domingo, 08 de novembro.

Todos os óbitos ocorreram no Haoc (Hospital Augusto de Oliveira Camargo). No domingo, 08, morreu um paciente de 51 anos, internado desde o dia 10 de outubro. No sábado, foram 3 mortes: todas as vítimas eram mulheres, de 74, 65 e 31 anos. E na sexta-feira, dia 06, outros 2 óbitos: um homem de 76 anos, internado desde o dia 02 de novembro, e uma mulher, de 77, hospitalizada no dia 1º.

Indaiatuba teve mais 6 mortes pelo coronavírus

Com essas novas mortes, Indaiatuba soma 236 desde o início da pandemia. No fim de semana, também foram registrados 50 novos infectados pelo coronavírus. A cidade tem agora 7.972 confirmados, com 7.726 considerados curados ou em recuperação domiciliar e 10 confirmados ainda internados, dois a menos que no dia anterior.

Ainda há outros 451 casos suspeitos aguardando resultado. Atualmente, há 16 pessoas internadas em leito clínico e 11 em UTI (Unidade de Terapia Intensiva). A taxa de ocupação das UTIs está em 33% no Haoc e 38% no Hospital Santa Ignês nesta segunda-feira, dia 09.

Salto não teve mortes confirmadas por covid no fim de semana, mas registrou, de acordo com o governo local, 20 novos casos da doença. Com isso, a cidade totaliza 3.356 infectados desde o início do surto, sendo que 70 pacientes morreram, 3.268 se recuperaram, 4 seguem internados (sendo 1 em UTI) e 14 estão em isolamento domiciliar.

Também há 15 casos suspeitos que aguardam resultados. Destes, 4 estão em internação clínica. A taxa de ocupação da UTI do Hospital Municipal está em 50% nesta segunda-feira.

Itu foi outra cidade da área de cobertura da Revista Regional que não confirmou óbitos por covid no final de semana. No entanto, a cidade contabilizou 34 novos contaminados pelo coronavírus e totaliza agora 3.566 casos desde março, quando começou a epidemia. Deste total, 101 pessoas morreram e 3.383 se recuperaram.

Há 104 suspeitos aguardando resultados, 9 pacientes internados em leito clínico e 4 em UTI. Os leitos da UTI do Hospital de Campanha, exclusivo para pacientes com covid, voltaram a ficar vazios nesta segunda, dia 09. Já a UTI do Hospital Municipal está com 62,5% de ocupação.

FÁBRICA DA VACINA

O governador João Doria esteve nesta segunda-feira, 09, no Instituto Butantan para acompanhar o início das obras da nova fábrica da vacina Coronavac. Com capacidade de produção de 100 milhões de doses por ano, a planta será construída com doações da iniciativa privada realizadas durante as reuniões do Comitê Empresarial Solidário e Econômico.

A previsão de conclusão das obras é de até 10 meses, com um custo de R$ 160 milhões. Já foram arrecadados até o momento R$ 130 milhões com doações de 24 empresas dos mais diversos setores da economia. As doações estão sendo coordenadas pela organização social Comunitas, com o apoio da Invest-SP.

A Coronavac, desenvolvida pela parceria do Instituto Butantan com a farmacêutica chinesa Sinovac Life Science, está em fase final de testes clínicos, que quando finalizados serão submetidos para aprovação e registro da Anvisa. Somente após essas aprovações, as doses serão disponibilizadas para a aplicação.

DOSES

Após autorização da Anvisa e das Autoridades Sanitárias da China, o Instituto Butantan receberá as primeiras 120 mil doses da Coronavac com chegada prevista para o dia 20 de novembro no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

A matéria-prima será transportada em bolsas de 200 litros dispostas em containers refrigerados, já que a Coronavac não necessita de temperaturas negativas para seu armazenamento.

Até dezembro de 2020, o Instituto Butantan receberá 46 milhões de doses da Coronavac, sendo 6 milhões de doses da vacina já prontas para aplicação e outras 40 milhões que serão formuladas e envasadas em fábrica própria do Instituto. Outras 15 milhões de doses devem chegar até fevereiro de 2021.

 
ESTUDOS

Em fase final de estudos clínicos no Brasil, a Coronavac é considerada uma das vacinas mais promissoras no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), e vem sendo testada em sete Estados brasileiros, além do Distrito Federal. Até o momento, mais de 10 mil pessoas já receberam ao menos uma das duas doses da vacina ou placebo.

Assim que os estudos clínicos comprovarem os índices de segurança e eficácia, a Coronavac será submetida ao devido registro da Anvisa para, somente depois, ser distribuída para a vacinação da população.

Nesta segunda-feira, a Revista Regional também noticiou em seu app o anúncio da farmacêutica americana Pfizer sobre a eficácia de 90% de sua vacina contra a covid-19, conforme estudos ainda em andamento. Com isso, a Pfizer espera ter o imunizante aprovado ainda em 2020. A matéria pode ser conferida no app da Revista Regional, na coluna Boas Notícias.

 

foto: BIRF