Readequadas, academias esperam a retomada

Academias estão na antepenúltima fase da retomada da economia, mas a maioria já está preparada para a volta dos treinos, com todas as medidas de segurança a alunos e colaboradores

Os ambientes já estão devidamente adequados às determinações da Organização Mundial da Saúde, governo do Estado e Prefeituras locais para a retomada das atividades, que deve acontecer na fase amarela do Plano São Paulo

As academias, praças, parques e outros locais públicos para a prática de esportes estão previstos para reabrirem na antepenúltima etapa, a fase amarela, do Plano São Paulo, lançado em meados de maio pelo governo do Estado de São Paulo para a retomada econômica, por meio da flexibilização dos setores. Anteriormente, o governo havia determinado que a reabertura seria apenas na fase verde, a penúltima do Plano SP, mas voltou atrás no mês passado, permitindo a antecipação do retorno deste setor, mas com limite de 30% dos alunos e seis horas de funcionamento por dia.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases. A cada duas semanas, todos os municípios do Estado são avaliados e, se mantiverem indicadores de saúde estáveis, podem avançar para a próxima etapa. Caso haja piora, a região volta para a fase anterior. A avaliação leva em conta os seguintes critérios: média da taxa de ocupação de leitos de tratamento intensivo para covid-19, número de leitos UTI covid-19 por 100 mil habitantes, e taxas de acréscimo ou decréscimo de casos confirmados, internações e mortes pela doença na comparação com a semana anterior.

Até os números melhorarem, as academias seguem fechadas na região, mas a maioria delas já está pronta e adequada para receber seus alunos. Já estão desenhadas com fitas de segurança, os chamados quadrantes de 6,25 metros quadrados para cada aluno, limitando a quantidade de pessoas dentro dos espaços. Esse foi o critério adotado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os representantes das academias de Salto, por exemplo, se reuniram com o Poder Executivo e acertaram detalhes para a reabertura. Alunos acima de 80 anos não participarão da retomada inicial, já os que têm entre 60 e 70 anos serão avaliados caso a caso e aqueles que apresentarem dois fatores de risco, além da idade, também receberão orientação para não frequentarem a academia por um tempo.

A rede Personnalité Move, que possui duas unidades em Salto, tomou inúmeras medidas para a segurança dos seus alunos, que ao chegarem ao local, terão os pés higienizados, seguindo para uma câmara de descontaminação, umas das principais novidades na cidade. Chegando à recepção, todos os alunos terão suas temperaturas medidas e, estando dentro da normalidade e sem sintomas de gripe ou resfriado, poderão acessar a academia.

Para a retomada dos treinos, os alunos serão cadastrados em um sistema de reconhecimento facial para não precisarem tocar na catraca, mas os que ainda quiserem adentrar pela forma antiga pela digital, foi disponibilizado um totem de álcool gel para a descontaminação das mãos.

“Quero fazer da Move os espaços mais seguros para se treinar. Temos ambientes amplos que foram positivos na determinação dos espaços, nossos profissionais e clientes estarão todos de máscaras, a tolha de rosto é item obrigatório. Os bebedouros estarão desligados e disponíveis apenas as torneiras, fazendo com que cada aluno leve sua garrafa de água. Também disponibilizaremos kits de flanela e álcool 70% para cada aluno higienizar os equipamentos após o uso. Tais flanelas serão lavadas no final do dia e separadas para uso no dia seguinte. Limitamos a quantidade de horas que o aluno pode ficar dentro do espaço e diariamente, das 11h às 14h, as nossas academias estarão fechadas para higienização geral do espaço”, comenta João Paulo Casali, proprietário das unidades Move.

A Academia Corpo São, em Salto, também está pronta, delimitada, seguindo todas as determinações da OMS, governo do Estado e Prefeitura, à espera da liberação para reabrir e receber seus alunos. Haverá tapetes para higienização dos pés, totem de álcool gel na entrada e nos principais salões do espaço e salas de aulas, ambientes gerais higienizados a cada três horas, kits descartáveis de higienização de equipamentos em locais estratégicos da academia para os alunos usarem nos equipamentos e barras.

“Tiramos alguns equipamentos para podermos desenhar os quadrantes dentro da determinação e as esteiras, bicicletas ergométricas, transports e escadas funcionarão alternadas, respeitando o espaço de 1,5 metro de distância. Também investimos em comunicação visual com pôsteres reforçando as regras de socialização dentro da academia, como por exemplo não tocar, manter distância e sempre alertando para não frequentar o ambiente em caso de sintomas de gripe ou resfriado”, comenta Adriana Fabri Pechio, proprietária da Corpo São.

Em relação à dinâmica de uso da academia, que sempre foi de horário livre, a partir de agora será agendado. Os alunos terão uma hora de treino por dia e também um rodízio, fazendo com que todos possam concluir seus treinos semanais. “Acreditamos que teremos uma volta lenta, pois as pessoas estão receosas. Estamos de acordo com todas as determinações da OMS e do governo do Estado para receber nosso público, mas acreditamos que teremos um retorno aproximado de 30% dos alunos”, afirma a empresária.

Para Adriana, apesar da possível redução de alunos e do impacto financeiro que já é uma realidade no seu negócio, a indefinição da data de reabertura é uma inconstante que tem deixado o empresário do setor de academias ainda mais ansioso e preocupado. “Com o número de casos notificados da doença aumentando, a nossa data de reabertura só vai adiando, afinal estamos na antepenúltima fase do plano de flexibilização. De repente, se a gente soubesse que ficaria um ano fechado, poderíamos nos estruturar melhorar e resolver os problemas com mais clareza. Esta indefinição do quando poderemos reabrir realmente é um problema para todos os empresários do setor”, enfatiza.

Aulas online

As academias estão mais de quatro meses fechadas, seguindo à risca as determinações do governo do Estado e da Prefeitura. Para os amantes da atividade física, um dia sem a prática já altera a rotina e pode, até mesmo, causar um problema emocional. Como todos foram pegos de surpresa, cada estabelecimento, da sua maneira, encontrou uma saída para dar continuidade aos treinos, mesmo que à distância. Para isso, as aulas online, vídeos gravados e disponibilizados no YouTube e grupos de redes sociais incentivaram a prática da atividade física, de uma maneira caseira, mas ao mesmo tempo saudável.

“O aparelho faz diferença no treino do aluno e ele sente isso em casa, mas nos adaptamos para uma situação de emergência que pegou a todos de surpresa e os conteúdos online foram a forma que encontramos de assessorar o nosso cliente”, comenta João Paulo.

Os alunos que tinham planos semestrais ou anuais não perderão de forma alguma o investimento. Tudo o que foi pago e não utilizado será revertido em crédito futuro e eles poderão continuar as aulas.

A Corpo São também investiu em conteúdos onlines por meio de um aplicativo e alugou as bicicletas de spinning para os alunos levarem para casa. “A professora ministra a aula da casa dela e todo mundo acompanha da sua casa. Foi uma iniciativa muito bacana e que rendeu uma interação com nosso aluno, que faz vários posts nas redes sociais”, conta Adriana.

(reportagem de ALINE QUEIROZ)

foto: AdobeStock