Junho tem número recorde de covid na região

Junho teve o maior número de infectados pelo novo coronavírus na região

Desde o começo da pandemia, o mês foi recordista em número de infectados e mortes pela covid-19; Somando Itu, Indaiatuba e Salto, foram 1.925 casos e 59 mortes, sendo 1.353 infectados apenas em Indaiatuba; Governo ituano revela os bairros com maior incidência de casos; Em 24 horas, Indaiatuba tem 130 novos contaminados

 

Todas as cidades da região de cobertura da Revista Regional registraram novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, como vem ocorrendo diariamente desde o início de junho, revelando a curva ascendente da pandemia. Esse mês foi recordista em número de infectados e também de mortes pelo novo coronavírus desde o começo da pandemia, em março passado.

 

Ao todo, somando Indaiatuba, Itu e Salto, foram 1.925 casos e 59 mortes em 30 dias. Até 31 de maio, eram 501 infectados e 47 óbitos. Indaiatuba, com maior incidência de casos registrados, viu a pandemia avançar de forma rápida, sendo 1.353 infectados e 37 mortos em apenas um mês.

 

Compare os números:

 

INDAIATUBA:

 

– 1º de junho: 276 infectados e 25 mortes;

– 30 de junho: 1.629 positivos e 62 óbitos.

 

ITU:

– 1º de junho: 172 infectados e 21 mortes;

– 30 de junho: 572 infectados e 37 mortes.

 

SALTO:

– 1º de junho: 53 infectados e 1 morte;

– 30 de junho: 235 casos confirmados e 7 óbitos.

 

O mês de junho foi marcado ainda pela reabertura da economia, com lojas e shopping centers voltando a funcionar, de forma restrita, em toda a região. Os estabelecimentos poderiam funcionar por quatro horas diárias, porém algumas cidades, por conta própria, optaram por uma jornada maior. Com o avanço dos casos, o governo estadual fechou novamente a região de Sorocaba, que inclui Itu e Salto, mas manteve aberta a de Campinas, onde está Indaiatuba. Entretanto, por decisão da Justiça, Indaiatuba foi obrigada, em 23 de junho, a cumprir decreto do Estado e o comércio passou a funcionar pelo período de quatro horas por dia, das 12h às 16h; antes, era das 9h às 18h.

 

ÚLTIMO DIA DE JUNHO

 

Nesta terça-feira, 30 de junho, em Indaiatuba foram registrados mais 130 casos positivos, totalizando 1.629 confirmados de covid-19, sendo que 62 morreram e 31 continuam internados. A Prefeitura de Indaiatuba não divulga um número exato de recuperados, mas soma os casos de cura com pacientes ainda em tratamento domiciliar, totalizando, assim, 1.536 pessoas. Ainda há outros 60 casos suspeitos aguardando resultado de exame. Atualmente há 37 internados em leito clínico e 30 em UTI (Unidade de Terapia Intensiva). A taxa de ocupação das UTIs continua alta, em 92% no Haoc e 67% no Hospital Santa Ignês.

 

Salto, conforme o boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira, tem, oficialmente, 235 casos de covid-19; sendo que 7 morreram, 185 evoluíram para cura; 6 casos seguem internados (sendo 4 em UTI) e 37 estão em isolamento domiciliar. Há 63 pacientes testados que aguardam resultados de exames. Destes, 57 estão em isolamento domiciliar e 6 em internação clínica (1 em UTI). A Prefeitura não divulgou a taxa de ocupação dos hospitais. Dos novos casos registrados nesta terça, há 3 crianças de 1 a 5 anos. Ao contrário do que divulgou a Prefeitura na segunda-feira, o bebê infectado pelo coronavírus na cidade tem 1 ano e não 14 dias. A Secretaria de Saúde local informou que houve um erro na compilação das idades dos casos confirmados, que a criança está em isolamento domiciliar e segue monitorada pela Vigilância Epidemiológica.

 

Itu confirmou, nesta terça-feira, 30, mais 1 óbito: um homem de 78 anos, com doenças pré-existentes. Foi a 37ª morte por covid-19 na cidade e há ainda 1 suspeita. Itu totaliza agora 572 casos confirmados, 456 recuperados e 157 aguardando resultados de exames. Há 21 pacientes internados em leito clínico e 11 em UTI. A taxa de ocupação de UTI está em 75% no Hospital Municipal e de 50% no Hospital de Campanha.

 

BAIRROS COM MAIOR INCIDÊNCIA EM ITU

 

A Prefeitura de Itu divulgou nesta terça-feira a lista dos bairros com maior incidência de contaminação pelo novo coronavírus, com intensificação de ações de fiscais nesses pontos. O objetivo é aumentar a adesão da população ao isolamento social e às medidas preventivas contra a doença, que já matou 37 pessoas na cidade e soma 572 casos confirmados, de acordo com o boletim divulgado deste 30 de junho.

 

De acordo com o levantamento da Vigilância Epidemiológica de Itu, os bairros onde o risco de transmissão é considerado extremamente alto são Cidade Nova (28 casos confirmados ativos e 24 casos suspeitos), Jardim União (16 casos confirmados ativos e 6 casos suspeitos), Vila Martins (16 casos confirmados ativos e 5 casos suspeitos), Parque América (7 casos confirmados ativos e 1 caso suspeito) e Jardim Aeroporto (7 casos confirmados ativos e 0 caso suspeito).

 

Há ainda o grupo de bairros em que o risco de contágio é apontado como alto, sendo eles: Portal do Éden, Potiguara, Parque Industrial, Vila Nova, Jardim Europa, Rancho Grande, Jardim das Rosas, São Luiz, Novo Mundo, Residencial Itaim, Vila Gabbai, São Camilo e Jardim Alberto Gomes.

 

Esses dados são atualizados com números de segunda-feira, 29, e mudam diariamente. Além desses pontos críticos, a Prefeitura de Itu informa que monitora demais os bairros do município e afirma haver casos em todas as regiões da cidade. O rigor da fiscalização e as medidas restritivas podem ser relaxados ou acentuados dependendo dos índices locais da pandemia.

 

Os fiscais terão como foco o funcionamento restrito do comércio essencial, ou seja, somente podem estar abertos farmácias, supermercados, postos de combustíveis, oficinas mecânicas e estabelecimentos alimentícios (sem consumo no local). Além disso, o comércios e serviços que se encaixam nessa categoria terão que seguir as normas sanitárias exigidas no momento, como disponibilização de álcool gel aos clientes, distanciamento físico e capacidade reduzida de pessoas no local.

 

O uso obrigatório de máscaras em espaços públicos é outro foco da fiscalização. O descumprimento dessa regra agora é passível de multa de R$ 100, segundo lei municipal de autoria do Executivo. Em caso de reincidência, o cidadão pagará o dobro pela infração.

 

Foto: BIRF