Exposição de Odiléia Toscano passa por Itu e Salto

Obras de Odiléia Toscano que foram expostas em Itu e estão este mês em Salto

Depois de passar por Itu, obras da artista plástica e arquiteta podem ser visitadas esse mês no Museu da Cidade de Salto. São 80 obras inéditas

 

            “A poesia do ser” foi inaugurada no dia 04 de julho na região. No saguão da Prefeitura de Itu, visitantes puderam apreciar, durante todo o mês de julho, 80 obras originais da artista plástica e arquiteta Odiléia Setti Toscano. Quem passou pelo local teve acesso também a outras informações sobre a artista, como pesquisa curatorial, uma linha cronológica e entrevistas em áudio visual.

            Artista de grande importância no cenário nacional, a relação de Odiléia com Itu teve início quando, ainda na faculdade, ela começou a namorar o colega de turma, João Walter Toscano, arquiteto e ituano. Ambos se formaram arquitetos pela USP e foram sócios. Durante toda a vida eles tiveram uma sinergia muito boa. Ele fazia projetos e ela coordenava toda a equipe e era coautora dos projetos do escritório. Juntos, eles assinaram os projetos dos prédios da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (atual Ceunsp) e do Conventinho. Odiléia era super reclusa, ela nunca quis expor nem vender as obras dela, então, é um privilégio poder fazer isso em Itu, pela primeira vez”, explica o diretor de Cultura de Itu, Emerson Castilho, também um dos curadores da mostra.

            A exposição é uma parceria entre os filhos do casal Toscano e os museus municipais das cidades de Itu e Salto, junto com o Ceunsp (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio). Além de Emerson, assinam a curadoria, também, as professoras Sônia Chamon e Morgana Ribeiro.“Nosso trabalho foi pensar na relação das obras com o espaço, as professoras Sônia e Morgana vieram para somar e muito”, ressalta Emerson, que pesquisou durante sua vida acadêmica a proposta de Itu como cidade museu e, por isso, esbarrou muitas vezes nas pesquisas que Odiléia e João Walter realizaram sobre Itu para o Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo). “Minha próxima pesquisa é encontrar no arquivo dos Toscano as propostas que eles fizeram pra capital federal, pois na época que teve o concurso para a construção de Brasília, eles participaram e meu próximo passo é tentar encontrar esses desenhos nos arquivos que pertencem a USP e trazer isso a público”, revela o diretor de Cultura de Itu.

            A exposição de Odiléia segue para a cidade de Salto e fica exposta no Museu da Cidade de Salto durante todo o mês de agosto. “Eu acho que o destaque fica para as pranchas de aquarela feitas para o mestrado e doutorado dela, expostas pela primeira vez. Ela se destaca muito por pensar o patrimônio e a dinâmica de crescimento e preservação do espaço. Ela foi pioneira em muitos aspectos, empresária, arquiteta, artista, gravurista, ilustradora, mãe e como teórica, porque ela foi professora da USP. Ao final, a grande obra dela foi as pinturas nas estações de metrô em São Paulo, que são vistas todos os dias por milhares de pessoas. Era uma noção de arte pública sem igual”, finaliza Emerson.

 

fotos: Divulgação