Prefeitos da região visitam a futura Barragem do Piraí

Autoridades durante visita à futura barragem

  • Maciço da barragem será construído na divisa entre Indaiatuba e Salto, alagando uma área que irá até Cabreúva;
  • Obra garantirá a ampliação do volume de captação dos municípios de Indaiatuba, Salto e Itu;
  • Terá 386 metros de comprimento, 15 metros de altura, espelho d’água de 1,3 km² e capacidade para armazenar 9 bilhões de litros de água, nove vezes maior do que a barragem do Mirim

Na manhã desta sexta-feira, 08, os prefeitos de Itu, Guilherme Gazzola; de Salto, Laerte Sonsin; de Cabreúva, Antônio Carlos Mangini; e de Indaiatuba, Nilson Gaspar; cidades que compõem o Consórcio Intermunicipal do Ribeirão Piraí (Conirpi), reuniram-se para conhecer as futuras instalações do maciço da Barragem do Piraí.

Em área localizada entre Indaiatuba e Salto, alagando um espaço que irá até Cabreúva, o maciço da barragem deve armazenar aproximadamente 9,7 bilhões de litros de água com 15 metros de altura, 415 metros de comprimento, 90 metros de base do talude regularizando a vazão do manancial, garantindo a captação de água durante o ano todo, inclusive nos períodos de estiagem.

Durante o evento, o prefeito de Itu, Guilherme Gazzola, destacou o apoio do governo do Estado, que aprovou verba de R$ 70 milhões para que, enfim, este projeto tão importante para Itu e região saísse do papel. “Hoje a área da represa do Piraí já pertence ao Conirpi (consórcio das cidades da região) e será possível, nas próximas semanas, iniciarmos o processo de licitação da construção da barragem. Se tudo correr como o planejado, as obras começam no início do segundo semestre de 2022. Finalmente tivemos todo o apoio e empenho necessários para a construção da barragem do ribeirão Piraí”, ressaltou.

A presença do ecologista, professor de Ciências e entusiasta do rio Tietê, Francisco Antônio Moschini – o “Seu Chico”, também foi celebrada. Aos 84 anos, Moschini é sócio fundador e ex-presidente, com vários mandatos, do Instituto de Estudos Vale do Tietê, o Inevat. É também membro titular dos Comitês de Bacias Hidrográficas dos Rios Sorocaba e Médio Tietê desde 1988 e Piracicaba, Capivari e Jundiaí, desde 2001, pelo segmento sociedade civil, dos quais participa de diversas câmaras técnicas. Em Salto, é membro titular do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente.

Sobre a obra

A barragem do ribeirão Piraí garantirá a ampliação do volume de captação dos municípios de Indaiatuba, Salto e Itu. Terá 386 metros de comprimento, 15 metros de altura, espelho d’água de 1,3 km² e capacidade para armazenar 9 bilhões de litros de água, ou seja, nove vezes maior que a barragem do Mirim.

A obra custará aproximadamente R$ 120 milhões e deve ser construída em três anos. O governo do Estado investirá R$ 70 milhões e os outros R$ 15 milhões serão rateados com o Consórcio Intermunicipal do Ribeirão Piraí (Conirpi) para custeio de uma área de mais de 2,97 km² a ser desapropriada. Também tem mais R$ 50 milhões do PAC2 do governo federal.

 

foto: Pref. de Itu