Aves que encantam

Pica-pau-de-banda-branca

Uma das paixões do fotógrafo de natureza João Luiz Martimbianco, de Salto, é registrar pássaros, tanto que já tem 298 espécies fotografadas, das quais seis são tucanos; A reportagem faz parte da série Fotógrafos da Natureza, iniciada pela Revista Regional em novembro de 2020

Há cinco anos, com uma máquina digital normal, João Luiz Martimbianco fez uma foto do pôr-do-sol que ganhou grande repercussão entre os amigos, recebendo inúmeros elogios. Era o incentivo que o saltense precisava para começar a fotografar, e daí para se tornar um fotógrafo da natureza foram poucos passos.

 “Quando fotografei a primeira ave me encantei pela sua beleza. Atualmente, o que mais fotografo são pássaros e pores do sol”, afirma o fotógrafo, que já tem 298 espécies diferentes fotografadas, sendo que quase esta totalidade está cadastrada no WikiAves. Entre elas, uma de suas preferidas é o tucano, tanto que já tem seis espécies registradas. “A primeira vez que eu fotografei um tucano foi o tucaninho-de-bico-verde, na Trilha dos Tucanos, em Tapiraí. Lá, encontramos várias espécies, mas já cheguei a encontrar alguns em Salto, tanto na praça, quanto em pesqueiros”, conta.

Para Martimbianco, a fotografia não é apenas beleza, mas também uma forma de mostrar ao mundo o quanto a natureza tão linda e significante está ameaçada por conta da poluição, queimadas e outros fatores que a colocam em risco. “Sou totalmente a favor do meio ambiente e luto em defesa dele. Para mim, a natureza sempre será um dos maiores cenários e exemplos de educação”, comenta.

Tucano-de-bico-verde

Mostrar ao mundo suas imagens e o impacto real da natureza sempre foi uma das razões que o motivaram a fotografar. Já participou de cinco exposições fotográficas em Salto, sendo que duas foram exclusivas, apenas com suas fotos. Para conseguir todo esse acervo fotográfico, Martimbianco participa de mais de 20 grupos de fotografia, muitos de fauna e flora, outros de natureza e até de meio ambiente e turismo, que tem o objetivo de unir viagens e fotografia.

Segundo o fotógrafo, antes da pandemia, as saídas eram mais constantes e cheias de amigos, mas, agora, quando acontecem, são limitadas em dois ou três colegas, por questões de segurança. Para compensar a falta das saídas constantes, Martimbianco montou um comedouro, onde coloca frutas para atrair os pássaros em sua própria residência. “Assim consigo, mesmo de casa, registrar vários tipos de aves sem mesmo sair do quintal”, conclui.

texto: Aline Queiroz

fotos: João Luiz Martimbianco