Camila Fornasier Von Adamek e sua paixão por vinhos

Camila em sua loja Grand Cru em Itu

A relação da empresária Camila Fornasier Von Adamek com o vinho vem desde a infância. Como uma boa gaúcha, que toma vinho de garrafão desde que se conhece por gente, foi por volta dos 22 anos que a paixão pela bebida ganhou o coração, quando fez uma viagem de seis meses de motor home pela Europa. Durante a experiência, visitou muitas vinícolas e foi aprimorando o gosto e conhecimento pelo vinho. A viagem rendeu outra paixão: Londres, cidade em que morou por um ano e onde se tornou sommelier.

Quando voltou ao Brasil deu início a uma carreira de executiva de Marketing que durou 20 anos. Passou por grandes empresas nacionais e internacionais como RBS TV (filiada Globo do Rio Grande do Sul), Editora Abril, Globo, TripAdvisor, entre outras. Neste tempo, conheceu e aprendeu ainda mais sobre o vinho. “Sempre fui do mercado corporativo e até três meses atrás jamais imaginei que trabalharia com ele, apesar de começar a pensar na possibilidade desde que a pandemia começou”, comenta.

A vida profissional de Camila foi acontecendo por acaso. Se formou em Letras porque sonhava em ser escritora e o fato de ser fluente em inglês a levou ao marketing das grandes empresas. O acaso a trouxe a Itu também, quando veio com a família para a casa de um amigo e acabou se encantando pela calmaria e comodidade que a cidade oferece. A maternidade foi determinante neste processo de mudança, pois, segundo Camila, após ser mãe se prioriza mais a qualidade de vida, pondera as escolhas e passa a pensar mais no coletivo da família do que no individual.

Itu trouxe para a empresária não apenas a oportunidade de uma vida mais tranquila, mas também a opção de trazer seus pais do Interior do Rio Grande do Sul para viverem perto dela e de estudar a ideia de trabalhar com vinho. Foi em Itu que surgiu a oportunidade profissional que ela abraçou de imediato e abriu uma franquia da Grand Cru, hoje a maior rede de lojas de vinhos da América Latina.

“Mais uma vez o acaso agiu na minha vida, pois conheci o presidente da marca e descobri que ele era meu vizinho. No bate papo rápido falei sobre a admiração pela rede e que adoraria ter uma loja, mas não me encaixava no modelo de negócios. Para a minha surpresa, ele me disse que havia sim uma opção de loja para cidades de até 200 mil habitantes. Entre essa conversa, reuniões de apresentações, fechar o negócio, treinamento, montar a loja e inaugurar, se passaram três meses apenas”, conta.

Na contramão dos empresários que fecharam lojas na pandemia, Camila inaugurou a Grand Cru Itu em meados de dezembro. Trabalha com rótulos de mais de 150 países, tem uma estrutura ótima de franquia e pode fazer o que ela mais ama na vida: atender pessoas e vender vinhos. “Fui do comercial a vida inteira, não tem como deixar de lado essa referência. Eu amo vinho, tenho uma adega de 600 garrafas em casa, amo falar sobre vinho, estudar o vinho e teria aberto a loja mesmo que fosse para ela ficar fechada, esperando autorização do governador para abrir, tudo para não perder a oportunidade”, brinca.

Camila ressalta que pesquisas indicam que o mercado de vinho no Brasil está em expansão e tem muito que crescer ainda e a aceitação do público pela Grand Cru Itu só comprova isso. Outro ponto positivo é a quantidade de pessoas que migraram da capital

para o Interior, aumentando o consumo. Por conta da pandemia, a loja faz muito delivery, mas por estar dentro de uma galeria de compras e ao lado de um supermercado, as pessoas realmente entram para conhecer e adquirem os produtos. Hoje, seu faturamento está totalmente voltado à venda da bebida para consumo em casa, mas a ideia é comercializar vinhos para consumo no local, fazer degustações, montar confrarias e trazer especialistas e sommeliers famosos para cursos. “Nosso pós-pandemia já está totalmente desenhado e vamos priorizar ainda mais o atendimento. Hoje, temos dois sommeliers com amplo conhecimento, o que favorece ainda mais a experiência do cliente com nossa loja e isso é fundamental quando se fala em mercado de vinho”, conclui.

 

texto e foto: Aline Queiroz