Livro de ituano entre os finalistas do Prêmio Jabuti 2020

  • A publicação concorre na nova categoria Romance de Entretenimento, incluída na premiação deste ano

O livro “A Filha do Reich”, mais recente obra do escritor ituano Paulo Stucchi, foi escolhido um dos finalistas da 62ª edição do Jabuti, o maior prêmio literário do Brasil. A publicação concorre na nova categoria Romance de Entretenimento, incluída na premiação deste ano.

Os vencedores de cada uma das 20 categorias e o ganhador do Livro do Ano serão anunciados em cerimônia de premiação online, que será transmitida ao vivo nas redes sociais da Câmara Brasileira do Livro no próximo dia 26 de novembro. Em 2020, a premiação segue organizada em quatro eixos: Literatura, Ensaios, Livro e Inovação.

Stucchi é autor de “A Filha do Reich”, indicado ao Jabuti deste ano

O novo livro de ficção de Stucchi traz a história do publicitário Hugo Seemann, que viaja de São Paulo para o interior do Rio Grande do Sul após receber a notícia da morte de seu pai Olaf, um ex-soldado alemão. O que era para ser uma mera formalidade de despedida torna-se uma jornada até a Alemanha nazista e ao passado sombrio da família.

O ituano Paulo Stucchi é jornalista, escritor e psicanalista. Entre seus livros estão “A fonte”, “O triste amor de Augusto Ramonet”, “Menina” e “A última carta”. Em conversa com a Revista Regional, Stucchi se disse surpreso com a indicação: “Sempre tive o sonho de seguir a carreira de escritor profissional, o que começou a tomar forma quando consegui publicar meu quinto livro (“A Filha do Reich”) em uma grande editora do circuito profissional, o Grupo Pensamento. Contudo, nunca esperei estar entre os finalistas do Jabuti. Devo agradecer à influência de meus familiares, sobretudo de minhas tias, que eram professoras e liam muito. Tive sorte de crescer nesse meio”.

Questionado sobre as expectativas profissionais a partir desta indicação, o ituano diz que continuará escrevendo e investindo em sua carreira como “um escritor em construção”. “Sempre acho que posso melhorar, e é nisso que invisto meu tempo: em contar de forma cada vez melhor as histórias”, finaliza.

foto: Renata Guarnieri