A transformação da arquitetura pós-coronavírus

  • O arquiteto Johnny Toledo, de Indaiatuba, acredita que no mundo que se apresenta pós-pandemia, a arquitetura passará por um momento de grande transformação e inovação

 

A pandemia da covid-19 alterou profundamente a rotina e dinâmica da sociedade. Pessoas e serviços foram surpreendidos com a necessidade do distanciamento social e isso nos conduziu a uma reavaliação dos espaços físicos das edificações, principalmente de nossas casas. O arquiteto Johnny Toledo, de Indaiatuba, acredita que no mundo que se apresenta pós-pandemia, a arquitetura passará por um momento de grande transformação e inovação, pensando mais em promover uma relação harmônica entre viver e trabalhar em casa, pois esta “será o melhor refúgio de proteção e saúde das pessoas”.

Projeto desenvolvido pelo Escritório Johnny Toledo

Logo no início da pandemia, o mundo descobriu que a casa é o melhor lugar para se proteger do contágio causado pelo coronavírus e, estando em isolamento dentro de casa, descobrimos a importância de viver em um ambiente saudável, que promova a harmonia e qualidade de vida para a família”, comenta. Segundo ele, um novo estilo de vida se apresentou nesse novo mundo, “onde as pessoas descobriram que em casa se pode viver em segurança, estar perto da família em uma relação harmônica, trabalhar com mais produtividade, produzir seus próprios alimentos, fazer atividade física, cuidar dos pets, delivery de vários produtos, ler bons livros, o que permitiu olharmos mais para nós mesmos e percebemos que as coisas simples da vida estão mais perto do que imaginávamos”.

Mas Johnny ressalta que essa realidade “só é possível quando a casa promove a qualidade de vida”. “Para que isso se concretize, uma integração entre a casa e a natureza é fundamental, caso contrário o isolamento social pode causar danos emocionais incalculáveis. Esse é o desafio que se apresenta para os arquitetos nos próximos anos e nós, da Johnny Toledo Arquitetura e Construção Integradas, estamos preparados para isso”, completa.

O arquiteto acredita que os “offices” ganharão um protagonismo nos projetos residenciais do futuro pós-coronavírus: “As empresas descobriram que colocando seus colaboradores trabalhando em home office geraram mais economia e melhoria da produtividade, o que promoveu grandes ganhos para as companhias e evitou o aumento das demissões. Essa tendência fará com que os offices ganhem um protagonismo em projetos residenciais e o grande desafio para os arquitetos e design de interiores será tornar esse espaço um ambiente saudável, promovendo harmonia com a natureza, promovendo a eficiência da iluminação natural, conforto térmico e acústico nesse ambiente de trabalho, gerando cada vez mais saúde para os seus usuários”, enfatiza.

A automação residencial é apontada por muitos especialistas como uma tendência para os próximos anos. “A automação faz parte do processo de inovação da arquitetura contemporânea. A tecnologia 5G promoverá a inovação da internet das coisas e que provocará a inovação de todo o processo de automação da casa. Equipamentos como Google Home ou a Alexa da Amazom e a Siri da Apple são os pilares dessa transformação. Esses equipamentos, juntamente com os utensílios domésticos, farão a interface entre produtores e consumidores, isso quer dizer que supermercados, restaurantes, lojas de varejo terão uma interface dentro da casa dos seus clientes e nós, os usuários dessas marcas, usaremos esses equipamentos para fazer nossos pedidos e comprar, apenas com um comando de voz. Imagina a sua loja de roupas preferida ter acesso ao seu manequim e entregar na sua casa a sua roupa sob medida? Isso é o futuro”, indica o profissional, ressaltando ainda que “os arquitetos precisam entender que esse futuro está mais próximo do que imaginamos e a casa deverá estar preparada para isso”.

O arquiteto Johnny Toledo, de Indaiatuba

Antes da pandemia, a sustentabilidade já era pauta no setor de arquitetura e continuará tendo destaque absoluto nos novos projetos. “Este é um assunto que nunca sairá de pauta na arquitetura e sempre serão encontradas formas de aperfeiçoamento da utilização dos recursos naturais disponíveis utilizados na arquitetura e design de interiores. Vejo que esse tema está sendo levado mais a sério e que as pessoas estão tendo consciência da sua responsabilidade com a natureza e o estilo de vida delas está se adaptando a um estilo mais sustentável, nas coisas mais simples como separar o lixo, reutilizar e reaproveitar os materiais e descartar corretamente materiais nocivos à saúde”, explica. Johnny lembra que o aço está ganhando o protagonismo nos estilos arquitetônicos mais contemporâneos, sendo utilizado de uma forma mais racional no processo construtivo, coberturas e até mesmo na decoração. “Seu uso está sendo aperfeiçoado para garantir uma eficiência térmica, acústica e também como forma de tornar a construção mais limpa e eficiente”, acrescenta.

O arquiteto destaca ainda que o período é totalmente favorável às reformas e construções e explica os motivos: “Em períodos de crises econômicas e grandes transformações, ocorrem a estabilidade dos preços dos materiais nas indústrias, outro fator é a possibilidade de negociar melhor a construção, outro ponto fundamental é com relação a facilidade de conseguir financiamento em uma nova modalidade e juros baixos que barateiam o crédito imobiliário. Não sabemos até quando todas essas razões permanecerão, nesse caso, melhor aproveitar!”, conclui.

fotos: Divulgação