Fotógrafo brasileiro registra uma NY surreal

 

Para Leandro Justen, fotografar a metrópole durante essa pandemia tem sido uma experiência surreal

 

O fotógrafo brasileiro Leandro Justen criou uma conta no Instagram @212covid para expor os registros que tem feito de uma Nova York totalmente irreconhecível por conta da pandemia e da quarentena. A cidade que nunca para deu lugar a poucos trabalhadores dos serviços essenciais, ruas desertas e um cenário digno de um filme de ficção científica. Algumas fotos de Leandro ilustram a reportagem da Revista Regional deste mês de maio, sobre a pandemia, mas o trabalho do brasileiro pode ser conferido diariamente com suas atualizações no Instagram. “Com esse projeto quero registrar a Nova York durante e pós-pandemia”, revela o profissional, em entrevista à Regional.

 

Há dez anos vivendo nos EUA, atualmente Leandro mora sozinho no bairro de Hell’s Kitchen, na região central de Manhattan, e conta que sua rotina mudou drasticamente com a chegada do vírus à cidade. Como é fotógrafo freelancer de moda e entretenimento, duas áreas bastante afetadas pela quarentena e distanciamento social, o brasileiro teve todos os trabalhos de março, abril e maio cancelados sem previsão de nova data. “O governador declarou que apenas serviços essenciais devem seguir funcionando até pelo menos dia 15 de maio, escolas fecharam até o fim do ano. Minha rotina agora está entre fotografar a cidade durante a pandemia e ficar em casa. Tenho usado o tempo livre para organizar arquivos de fotos, assistir a tutoriais e me conectar com amigos e familiares por FaceTime”, revela. 

 

Sobre a experiência de registrar uma das maiores metrópoles do planeta durante a quarentena, Leandro conta que tem sido surreal. “Nova York está quase completamente parada. Fotografar a cidade durante essa pandemia tem sido surreal. Eu moro perto de Times Square e dos teatros da Broadway e ver as ruas desertas sem um sábado à noite é realmente muito estranho. Parece um filme! Ruas que eram completamente cheias de pessoas do mundo inteiro se tornaram um deserto urbano. Nunca imaginei ver a cidade tão vulnerável. Agora você só vê entregadores de comida trabalhando, pessoas com máscara indo ou voltando de mercado, moradores de rua. Essa crise expôs mais ainda as desigualdades sociais da cidade. A maioria das pessoas trabalhando em aplicativos de entrega de comida é de imigrantes. E os bairros mais afetados são áreas mais pobres de NYC, como Bronx e Queens”, ressalta o brasileiro.

 

O perfil pessoal de Leandro no Instagram é @leandrojusten

Já o que foi criado para registrar a quarentena em NY é o @212covid

 

Reportagem de Renato Lima

 

VEJA A GALERIA DE FOTOS