Maitê Velho: a nova secretária de Cultura de Itu

Maitê Velho durante entrevista à Revista Regional

Maitê tem ampla experiência com projetos e eventos socioculturais e sustentáveis e entre suas maiores cocriações estão os projetos “Integrarte” e “Arte no Beco”

Produtora de eventos culturais, artísticos e agenciamento há mais de 25 anos, Maitê Velho acaba de assumir a Secretaria de Cultura de Itu no lugar de Geraldo Gonçalves Junior. Ela chega à administração municipal bem no olho do furacão da 26ª edição do Festival de Artes, evento que acontece anualmente na cidade, e já promete muitas surpresas para os munícipes.

Maitê tem ampla experiência com projetos e eventos socioculturais e sustentáveis. Entre suas maiores cocriações estão os projetos “Integrarte” e “Arte no Beco”, sendo o último um festival de coletividade e diversidade artística que acontece no Passeio Público Marcos Steiner Netto, em Itu, o “Becão”. Além disso, Maitê facilitou oficinas e cursos voltados à produção cultural no Interior paulista e projetos voltados a públicos diversos que utilizam a arte e a cultura como ferramenta socializadora.

Recém-chegada à Secretaria ituana, ela afirma que ficou motivada a assumir o cargo no momento em que percebeu a chance de trabalhar em rede. “Tanto a rede com a Prefeitura quanto uma rede com os artistas. Então, é a Secretaria fazendo um intercâmbio entre as ações. Nós vamos fazer esse trabalho de rede, esse fomento psicológico e emocional”, explica a atual secretária, ressaltando acreditar num trabalho coletivo pelo bem comum, que é o munícipe.

Maitê demonstra também a vontade de recuperar antigos projetos culturais que outrora tiveram muito sucesso na cidade e explica que a arte pluralizada tem muito poder numa ação. Ela espera que, acima de tudo, as pessoas percebam o poder cultural que Itu tem e que, sendo o Festival de Artes, o primeiro grande evento de sua gestão, ele transponha as barreiras de ser apenas um evento. “O Festival de Artes tem que ser uma explosão de sementes para tudo o que deverá acontecer depois dele e não apenas um evento isolado. Além disso, nós queremos que todos se sintam pertencentes ao Festival e não sejam apenas espectadores”, finaliza a secretária de Cultura.

texto: Gisele Scaravelli

foto: Renata Guarnieri/Divulgação