O infinito azul da Patagônia

Imensidão azul formada pelas geleiras da Patagônia; no destaque, o Glaciar Perito Moreno

Fotógrafo saltense se aventura pela Patagônia e as gigantescas geleiras do sul

Fomos de avião, eu e minha esposa Alzira Gentile, através de uma agência de viagem com a coordenação do amigo Jarbas Matos. Embarcamos em Guarulhos até Buenos Aires. Depois até o extremo sul da Argentina para a cidade de El Calafate na Província de Santa Cruz na Patagônia.

El Calafate é uma pequena cidade localizada na província de Santa Cruz, na Argentina, próxima à fronteira com o Chile. Possui aproximadamente 21 mil habitantes e fica a cerca de 270 quilômetros da capital provincial, Río Gallegos. É a cidade mais próxima do Parque Nacional Los Glaciares, a cerca de 80 quilômetros, onde localiza-se a maior geleira em extensão horizontal do mundo: o Glaciar Perito Moreno.

Estendemos o passeio à Laguna Nimez, localizada entre a cidade de El Calafate e o Lago Argentino. Laguna é uma reserva que abriga mais de cem espécies de pássaros, com destaque para o flamingo austral, o cisne de pescoço negro e a coscoroba, um tipo de pato. O lugar preserva ainda a vegetação nativa, incluindo o Calafate e o Senecio, predominantes na paisagem local. Em seu entorno existe uma trilha (sendero) de aproximadamente 2.500 metros com alguns mirantes no caminho, ideais para fazer uma pausa para tirar fotos e apreciar a bela paisagem. O fim de tarde é um horário excelente para admirar a beleza dos flamingos, a mistura de tons azuis da Laguna Nimez e do Lago Argentino com o céu e o tom escuro da Cordilheira dos Andes.

A Patagônia é muito grande, o que impossibilita conhecer tudo em poucos dias. No pacote já estava agendado um passeio até o Glaciar Perito Moreno que faz parte do Parque Nacional de los Glaciares e fica a 80km de El Calafate. Conhecê-lo era um sonho antigo. Só o trajeto até o Glaciar já valeu a pena, pois o visual é fantástico.  O passeio incluiu um tour de barco no Lago Argentino, onde você chega “perto” da muralha de gelo que tem uma altura de 40 a 80m (é incrível ver aquele paredão de gelo milenar com tons azuis).

Depois do passeio de barco, você pode admirar o Glaciar de vários ângulos através das passarelas. O lugar tem uma estrutura muito boa para os turistas, com restaurantes, lojas, etc.

 

A lindíssima Ruta Nacional, cenário cinematográfico

O voo do condor

Outro passeio do pacote foi conhecer El Chaltén, um pequeno povoado que fica a 220km de El Calafate. O acesso é pelas RN 40 e RN 23, com o visual mais incrível que já vi!

Chegando em El Chaltén, eu e minha esposa tínhamos planejado fazer a trilha para a Laguna Capri, mas como as montanhas Fitz Roy e Torre estavam encobertas pelas nuvens, e muito frio e vento, decidimos então fazer a trilha para o Mirador de los Condores, com uma vista fantástica, com o privilégio de ver o voo dos condores lá de cima.

Chaltén é o povoado mais jovem da Argentina. Foi fundado em 12 de outubro de 1985 como posto fronteiriço, limítrofe com o Chile. É a capital do Trekking da Patagônia Argentina. Localizado na seção do Lago Viedma del Parque Nacional Los Glaciares, sua população estável é de 600 habitantes, mas recebe cerca de 80 mil turistas por ano, sendo 60% estrangeiros.

Quem visita esta paragem patagônica o faz motivado pela beleza das montanhas Fitz Roy e Torre, duas das mais difíceis para escalar em todo o mundo. O Fitz Roy é um maciço de granito de 3.375m. ao que os tehuelches chamavam Chaltén (em língua ahonikenk significa “montanha que joga fumaça”) e que deu origem ao nome do povoado.

A imponente montanha pode ser vista desde a pequena vila, mas quem deseja acercar-se a sua geografia pode incursionar em um dos melhores trekkings que oferece o lugar, o da Laguna de los Tres, lugar que se alcança depois de quatro horas de caminhada de ida.

El Chaltén é a porta de entrada do Gelo Continental Patagônico, por isso a vila oferece todos os serviços que o visitante possa necessitar: hospedagens, restaurantes, agências de turismo, aluguel de cavalos, armazéns, oficina mecânica, posto de gasolina e borracharia, posto sanitário, telefone público, fax e linhas regulares de ônibus que o conectam com El Calafate.

A navegação e o mini trekking ao Glaciar e Lago Viedma (considerado o mais grande Glaciar da Argentina com 978 km2 ), o passeio até o Lago do Deserto e diversos passeios curtos completam a oferta turística do povoado.

Cristina

Outro passeio que fizemos foi para a Estância Cristina. Foram 44km de estrada, margeando o Lago Argentino até Puerto Bandeira, depois mais 52km de barco pelo braço norte do lago passando pela “Boca del Diablo”. O visual é indescritível, em todo percurso pudemos ver altas montanhas da Cordilheira dos Andes cobertas de gelo e neve e muitos (mas muitos!) icebergs (blocos de gelo que se desprendem dos glaciares) de todos os tamanhos.

Já na Estância 25 de Mayo, outro passeio feito de 4X4 nos arredores de El Calafate, pudemos admirar um pouco da flora e fauna da região, como condores, águia -chilena, ñandu(parecida com a nossa ema), guanacos, entre outros. Sem dúvida, um grande sonho realizado!

texto e fotos: Luiz Gentile

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS DA VIAGEM

1

Picture 1 of 15