Indaiatuba e Itu avançam, Salto corre atrás…

“Como se nota, mais uma vez o balanço do setor industrial evidencia o crescimento acelerado de Indaiatuba em detrimento a Salto, que no passado era chamada de ‘cidade industrial’”

O ano de 2011 vai terminando e Indaiatuba e Itu têm muito a comemorar no setor industrial. Não teve crise europeia capaz de frear o ritmo acelerado de desenvolvimento industrial da região. Foi o que revelou reportagem da revista Indústria Regional de novembro. Além de novas indústrias, Indaiatuba ainda comemora o fato de ter a menor taxa de desemprego da Região Metropolitana de Campinas e o prêmio “Cidade Amiga do Emprego”, dado pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná, devido aos dados apresentados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, que constatou a baixa taxa de desemprego, que esteve quase nula em 2010.

Os números são promissores: de janeiro a agosto, foram admitidos 27.732 mil pessoas, sendo 7.890 na indústria, 3.853 na construção civil, 7.588 no comércio e 7.982 em serviços gerais. Já o número de novas indústrias é outro feito comemorado por Indaiatuba: de janeiro a setembro, 66 indústrias abriram suas portas, sendo que 17 são confecções, 16 metalúrgicas/autopeças, sete de máquinas e equipamentos, seis do ramo de plásticos e quatro moveleiras, entre outras. E até o final de 2012 outras seis grandes indústrias estarão operando na cidade, que deve anunciar ainda a implantação do maior Polo Intermodal do Brasil, juntamente com o Porto Seco, beneficiando não somente as indústrias instaladas em Indaiatuba, como de toda a região.

Em 2011, Itu também conquistou a preferência de renomadas indústrias, casos da Femsa, fabricante mexicana de refrigeradores pertencente ao grupo da Coca-Cola; a Tecsis, fabricante nacional de pás eólicas; a Aisin Seiki, indústria japonesa do ramo de autopeças; e a Sumitomo, montadora de tratores, que foi inaugurada nos últimos dias com a presença do governador Geraldo Alckmin. Itu conseguiu ainda trazer para a região três indústrias do ramo de informática, um dos que mais crescem em todo o mundo: Jabil, fabricante norteamericana de impressoras; HP, fabricante de processadores; e a Sakura Tech, cuja sede está localizada em Cingapura.

Salto, por sua vez, não anunciou novas grandes indústrias no período; realizou apenas uma série de investimentos na ampliação de suas unidades, como Nupe, Tebras, York, Iber-Ollef, Continental e Kanjiko. Como se nota, mais uma vez o balanço do setor industrial evidencia o crescimento acelerado de Indaiatuba em detrimento a Salto, que no passado era chamada de “cidade industrial”. O que se vê hoje são centenas de saltenses trabalhando nas indústrias de Indaiatuba e usando sua cidade apenas como “dormitório”. O político saltense que usar o apoio indaiatubano em sua campanha à Prefeitura em 2012 pode dar um tiro no pé, afinal a atual administração teve total apoio dos vizinhos nas eleições passadas e vejam só quem cresceu mais…

Do Editor