Conversa, Destaques

Paula Fernandes, a grande estrela da música brasileira

“Cresci às margens da Serra do Cipó (Minas Gerais) num sitiozinho e sei bem o que é ‘não ter nada’. Enfrentei muitas dificuldades, todas possíveis. Não acredito no acaso, nem em coincidências. A vida me preparou para esse momento”

Com o dom de transformar poesia em canção, a mineira vive o seu auge. Dona de uma voz marcante, ela fará show na região, em Sorocaba, em 1º de junho

 

À primeira vista, Paula Fernandes pode até parecer frágil. Mas esta é uma impressão que rapidamente cai por terra, assim que ela começa a cantarolar os versos de uma música qualquer. Dona de uma voz marcante, a mineira – que cresceu num sitiozinho, às margens da Serra do Cipó – concordou em atender a este jornalista mais uma vez, exatamente dois anos após a primeira entrevista (publicada na quinta edição da revista Zunzunzum, em maio de 2010).

Neste intervalo de tempo relativamente curto, muita coisa mudou: de agradável promessa da música brasileira, foi alçada ao status de uma grande estrela. O reconhecimento – com o qual ela sonhou durante tanto tempo – foi alcançado: agora, não somente sua voz é familiar ao público, mas também a sua imagem. Depois de emplacar vários sucessos em trilhas de novelas, a consagração definitiva veio com o CD e DVD “Paula Fernandes ao Vivo”, lançado no ano passado, que se manteve no topo dos mais vendidos (veja no final da matéria).

Vivendo o seu auge, Paula prova que, de fato, tem sede de arte: seu novo CD de estúdio – que até o fechamento desta reportagem ainda não havia sido batizado oficialmente – deve chegar às lojas no final de maio. A primeira das 15 faixas que está sendo divulgada nas rádios é “Eu Sem Você”, uma composição de Paula em parceria com Zezé di Camargo, onde alguns trechos –“Tô com vontade de enfrentar o mundo / Ser pra sempre o guia do seu coração / Sou a metade de um amor que vibra / Numa poesia em forma de canção” – parecem traduzir sua própria história.

Aos fãs da região, há ainda outra boa notícia: a cantora se apresentará em Sorocaba, no dia 1º de junho (sexta-feira). O público então vai poder ver de perto todo o talento da garota que começou a cantar aos oito anos e amadureceu precocemente. Em nome de um sonho, ela conta que pulou etapas: parte da infância e toda a adolescência. Apesar dos momentos difíceis – que, segundo Paula, não foram poucos – hoje é possível afirmar que todo esse esforço valeu a pena.

Sem medo de lutar por aquilo que deseja, a estrela segue brilhando cada vez mais intensamente e agradece a Deus por tudo o que passou. “Sou exemplo de que tudo é possível. Minha origem é humilde, mas nunca deixei de sonhar. Seguir o caminho mais longo e da honestidade torna tudo mais bonito e dá sentido às conquistas”, relembra a cantora, que diz se sentir privilegiada por ter recebido o dom da composição.

Para que os leitores possam conhecer ainda mais sobre a trajetória da mineira que conquistou o país e recebeu elogios de fãs famosos – como o Rei Roberto Carlos, com quem fez um dueto no tradicional especial de Natal – Regional optou por mesclar, ao conteúdo inédito, os melhores trechos da entrevista concedida em 2010, publicados pela primeira vez em forma de perguntas e respostas.

O resultado é uma longa conversa, em que Paula aponta a determinação como um fator decisivo para que os seus sonhos se realizassem. Isto, aliás, é uma das poucas coisas que não mudou nos últimos dois anos: a menina continua disposta a encantar milhões de pessoas com a sua música. Por tudo o que já demonstrou até aqui, é melhor que ninguém duvide de que isso ainda acontecerá por muito tempo.

 

Revista Regional – “As pessoas conhecem minha voz. Agora é hora de conhecerem minha imagem”. Esta frase abre o texto de divulgação do seu DVD, “Paula Fernandes ao Vivo”. A julgar pela imensa repercussão e expressiva vendagem desse trabalho, não é difícil concluir que esse objetivo foi alcançado. Qual a maior recompensa de ser reconhecida pelo grande público? Por outro lado, houve algum momento em que você sentiu saudade de ser um rosto anônimo na multidão?

Paula Fernandes – Ter o trabalho reconhecido em todo o Brasil sempre foi meu maior sonho, estou muito feliz pelo carinho que tenho recebido. Só tenho a agradecer a todos que sempre acreditaram em meu trabalho. No entanto, temos que saber separar as coisas, a fama é algo sempre muito almejado, só não podemos deixar que ela se misture com nossa vida pessoal.

 

Como este trabalho ao vivo reflete a sua maturidade profissional? Em que a Paula hoje é diferente daquela menina que despontou no cenário musical há alguns anos?

A gente vive muita coisa, viaja bastante e acaba aprendendo cada dia mais. Hoje tenho convicção de que tudo na vida tem a hora e o momento certo para acontecer.

Depois de chegar ao auge, quais são seus próximos projetos?

Há muito que se fazer. Tenho sede de arte: pretendo continuar levando a minha arte através de minhas canções. Em maio, será lançado meu novo álbum, que foi feito com muito carinho para todos. A primeira música de trabalho, “Eu Sem Você” – uma composição minha em parceria com o Zezé Di Camargo – já foi lançada nas rádios.  Agora e só esperar!

Voltando um pouco no tempo, conte-nos como descobriu sua vocação artística.

Aos oito anos, aprendi uma canção na rua e queria insistentemente cantar para a minha mãe. Depois de três dias, ela me ouviu e se emocionou muito. Agradeço a Deus pela sensibilidade dela em me perceber. Desde então, nunca mais parei de cantar.

 

Há alguma desvantagem em se começar tão cedo?

Na verdade, começar cedo me deu uma maturidade precoce. Aos nove anos já era bastante responsável e dedicada. Sabia da importância do que estava fazendo e sentia que aquilo não era uma brincadeira. O que aprendi nesses anos de carreira não tem preço. Diante de nossas escolhas, perdemos e ganhamos. A minha me fez pular etapas – parte da infância e toda a adolescência. Hoje sou uma adulta feliz por me considerar vitoriosa. Praticamente, deixei as bonecas para tocar violão. Não comecei a cantar para ser famosa ou celebridade. Eu era criança, não tinha noção do valor do dinheiro e do que poderia ganhar cantando. E é por essa essência e pelo gosto de cantar que continuo em busca do meu sonho musical.

 

Enfrentou muitas dificuldades até se tornar conhecida do grande público? Que lições extraiu desse período?

Como disse anteriormente, considero-me uma pessoa vitoriosa. Sou de família humilde, de poucos recursos. Cresci às margens da Serra do Cipó (Minas Gerais) num sitiozinho e sei bem o que é “não ter nada”. Enfrentei muitas dificuldades, todas possíveis. Não acredito no acaso, nem em coincidências. A vida me preparou para esse momento.

 

Uma das características que mais se sobressai no seu trabalho é o fato dele ser extremamente autoral. Quais as suas inspirações e influências para compor?

Ouço de tudo. Não tenho preconceito musical, uma vez que inspiração pode ter todas as cores e não escolhe hora para chegar: pode ser no trânsito, no banho ou no meio da madrugada. Estou sempre atenta, com papel, lápis e um gravador na bolsa. Quando ela vem e não é registrada, se perde pra nunca mais voltar. Eu seria pretensiosa se dissesse que as canções são minhas. Sinto-me um instrumento. Compor é um dom e, acima de tudo, uma grande responsabilidade.

 

“Seguir o caminho mais longo e da honestidade torna tudo mais bonito, dá sentido às conquistas. Sou feliz. Agradeço a Deus pelas minhas dificuldades e sofrimentos desde pequena. Tornaram-me a adulta que sou hoje que sabe o que quer e vai à luta”

A canção “Jeito de Mato” – que fez parte da trilha de Paraíso (2009) – rendeu-lhe projeção significativa. Fale um pouco sobre ela.

‘Jeito de Mato’ foi de grande importância pra minha carreira. Gravá-la com meu ídolo Almir Sater foi muito emocionante. A novela levou minha voz e poesia aos lares de gente como eu, batalhadora e cheia de sonhos.

 

Além de Almir Sater, você já cantou, por exemplo, com Leonardo, Victor & Léo, César Menotti e Fabiano, entre outros. Existe algum critério para essas parcerias?

Meu critério é baseado em boa música, em essência. Todos esses artistas têm alma, personalidade e principalmente amor pelo que fazem. Acredito que esses encontros estavam escritos nas estrelas e agradeço pela oportunidade de estar ao lado deles para então trazer um pouco mais de paz, alegria e magia para tantos corações no mundo.

Falando em duetos, em 2010, a sua participação no especial de Natal do Rei – transmitido ao vivo da praia de Copacabana – repercutiu bastante na imprensa. Qual a sensação de cantar com Roberto Carlos?

Um momento mágico, surreal. Tivemos um encontro musical especial, muito bacana. É um homem extremamente inteligente.

 

Um pouco antes, porém, você foi uma das convidadas do especial “Emoções Sertanejas”, em homenagem aos 50 anos de carreira de Roberto, onde ao lado de Dominguinhos interpretou “Caminhoneiro”. Que lembranças guarda daquele dia?

Foi uma grata surpresa. Quando o maestro Eduardo Lages me ligou pra fazer o convite, me disse: “Como você tem fãs famosos, menina!”. Atendeu ao pedido dos meus ídolos, hoje amigos e fãs. Isso tornou ainda mais inesquecível aquele momento. Sobre Dominguinhos, fico sem palavras. Ele é um ser de luz e hoje um grande parceiro.

 

Embora não goste de ter seu trabalho rotulado, musicalmente falando, há uma “marca registrada” que identifique Paula Fernandes?

Sou uma representante da música popular brasileira.

 

Recentemente, você foi eleita a melhor cantora de 2011 no programa do Faustão, pelo voto popular. Que importância tem os seus fãs em cada uma de suas conquistas? Acredita que a web mudou a maneira de artista e público se relacionarem?

Esse prêmio é todo nosso, quero dividir com cada um este maravilhoso presente, pois são eles os verdadeiros responsáveis por todo o meu sucesso. Com a internet, sinto-me mais perto do público e há uma interação maior. Tenho Twitter e Facebook: sempre que posso entro em contato com meus seguidores.

 

No outro extremo, quem são seus ídolos?

Minha mãe… No mundo artístico tenho vários ídolos, Almir Sater, Zezé di Camargo e Luciano, Leonardo, Chitãozinho e Xororó, Shania Twain, Taylor Swift [com quem Paula fez um dueto recentemente] e outros. O nosso país é cheio de grandes talentos que só vem enriquecer nossa cultura e nossa vida.

 

Como resumiria sua trajetória em poucas linhas?

Sou exemplo de que tudo é possível. Minha origem é humilde, mas nunca deixei de sonhar. Seguir o caminho mais longo e da honestidade torna tudo mais bonito, dá sentido às conquistas. Sou feliz. Agradeço a Deus pelas minhas dificuldades e sofrimentos desde pequena. Tornaram-me a adulta que sou hoje que sabe o que quer e vai à luta.

 

Mais sobre Paula Fernandes

 

  • Começou a cantar ainda criança, aos oito anos e, aos dez, lançou o primeiro disco independente, que leva o seu nome.
  • Ainda em Sete Lagoas, Paula apresentou o programa de rádio “Criança Esperança”. A boa atuação a levou a participar de vários números autorais no programa “Paradão Sertanejo”, da TV Band Minas.
  • Em 1995, aos 12 anos, mudou-se com a família para São Paulo e foi contratada por uma companhia de rodeios, com a qual trabalhou durante cinco anos, viajando por todo o Brasil como cantora da trupe, o que lhe rendeu bastante experiência de palco.
  • Neste mesmo ano, inspirada no sucesso da novela “Ana Raio e Zé Trovão”, Paula lança seu segundo CD, “Ana Rayo”, com repertório que priorizava o cancioneiro popular de raiz.
  • Dez anos mais tarde, Paula seria apresentada ao diretor Jayme Monjardim pelo produtor musical Marcus Viana, conhecido pelas trilhas sonoras de “Pantanal” e “O Clone”. O contato resultou na gravação da música “Ave Maria Natureza”, uma versão da “Ave Maria” de Schubert, tema da novela “América”.
  • Aos 18 anos, no auge de sua depressão, ela se matriculou na faculdade de Geografia e foi trabalhar como secretária. Mas a paixão pelos palcos falou mais alto: não demorou para que a jovem voltasse  a se apresentar em bares e shoppings.
  • O CD “Canções do Vento Sul”, que contou com a participação de Sérgio Reis, rendeu à Paula uma indicação ao Prêmio TIM de Música Brasileira, em 2006.
  • Em dezembro do mesmo ano, Paula lança o álbum “Dust in the Wind”, com músicas de seu repertório internacional, incluindo uma versão para a música homônima. Segundo ela, esta foi uma experiência fantástica, apesar do desafio de cantar em inglês.
  • Paula foi a intérprete do tema de abertura de “Escrito nas Estrelas” (2010), com uma regravação de “Quando a chuva passar”, que já havia feito sucesso na voz de Ivete Sangalo.
  • Dois CDs de Paula Fernandes estão entre os mais vendidos em 2011, segundo a Associação Brasileira dos Produtores de Disco (ABPD): “Paula Fernandes ao Vivo” e “Pássaro de Fogo” ocupam, respectivamente, a segunda e a terceira posição do ranking. Já o DVD ao Vivo foi o mais vendido do ano passado.
  • Apenas dois dias depois de ser disponibilizada para download na iTunes Store brasileira, a música “Eu sem você”, do novo CD, já era a segunda mais vendida do site, atrás apenas de “Eu Quero Tchu, Eu Quero Tcha” da dupla João Lucas & Marcelo.
  • A cantora é adepta dos minivestidos. Para ela, a vulgaridade não está no tamanho da saia, mas no comportamento da mulher.
  • Na internet:

Site: www.paulafernandes.com.br

Twitter: www.twitter.com/PaulaFernandes7

Facebook: www.facebook.com/paulafernandesoficial

 

Em Sorocaba

O show de Paula Fernandes em Sorocaba será no dia 1º de junho

Onde: Clube União Recreativo Campestre, na rua Francisco Paulo Braion, 650

Ingressos: podem ser adquiridos pelo site www.ingressorapido.com.br

Informações: pelo site www.zeventos.com ou telefone (15) 3231–1452

 

entrevista e texto Piero Vergílio

fotos Guto Costa

Que marcas você quer deixar no planeta? Calcule sua Pegada Ecológica.


Deixe seu comentário

(required)

(required)


*